Transformar um “não lugar” em lugar através do urbanismo tático

Organizações se juntam para transformar um “refúgio de pedestres” e pedaço de praça em cruzamento icônico em um lugar mais agradável e com significado para as pessoas que passam por ali

Por Leticia Sabino

Por quantos lugares só de passagem e que parecem ser o que “sobrou” da rua você passa a pé na cidade? A cidade foi majoritariamente planejada para os carros e fluxo de veículos sobre pneus. Isso significou abrir vias expressas e passagens mais rápidas, construir viadutos e cortar potenciais praças.

Image for post
Image for post
Nó viário no cruzamento da Paulista com a Consolação

No encontro da Avenida Paulista com a Consolação não foi diferente, tanto que é até difícil acompanhar o nó viário que se faz por ali. Neste espaço, na avenida mais icônica de São Paulo, entre as praças do Ciclista e dos Arcos, existe um refúgio de pedestres , "não lugar", pelo qual passam mais de 20 mil pessoas a pé por dia. Foi ali, e no “pedaço” da praça José Molina, que propusemos melhorar através do urbanismo tático junto com o movimento Boa Praça e voluntários da empresa WeWork.

Image for post
Image for post
Vista de outro ângulo para o nó ao final da avenida Paulista

Não-lugar
O antropólogo Marc Augé criou o conceito de “não-lugar” para se referir aos espaços de passagem incapaz de dar forma a qualquer identidade na cidade. Alguns destes espaços são criados justamente pela infraestrutura viária, como baixios de viadutos, quando não utilizados, chamados também de espaços residuais, e como o espaço desta intervenção.

O espaço

Image for post
Image for post
Locais escolhidos para a ação de urbanismo tático

As ações de melhoria se deram entre dois espaços que estão interconectados por uma faixa de pedestres. Eles podem ser acessados em 40 passos entre um e o outro, atravessando a Consolação. Os locais são passagem para acessar estações de transportes de massa: as estações de Metrô Paulista e Consolação e o ponto de ônibus do corredor Consolação-Rebouças, importante conexão entre o Centro e as zonas Oeste e Sul. Além disso, se encontram ali as ciclovias da Paulista e da Consolação, estruturantes para os deslocamentos ativos da região central da cidade. Uma vantagem deste ponto é que como está no espigão da Paulista (ou morro do Caaguaçu) para todos os lados que se caminha a inclinação da rua é de descida. Para fazer a intervenção, observamos não só a localização e a função da área para a cidade, mas também olhamos e diagnosticamos como as pessoas interagem com esse espaço.

Image for post
Image for post
Contagem de pessoas que passam ali

No refúgio de pedestres, realizamos uma contagem de fluxo e descobrimos que mais de 20 mil pessoas passam por ali diariamente — em média 16 pessoas por minuto. Destas pessoas, 33% atravessam a faixa que acessa a Paulista sentido centro, 32% atravessam a faixa da consolação, 18% atravessam para a Praça do Ciclista e 17% na faixa para a Paulista lado bairro.

Diagnosticamos que os mobiliários urbanos dessa área não servem para a maioria das pessoas. Tem um ponto de táxi, cujo banco se encontra travado, um relógio digital e 13 postes de sinalização ou serviço: 1 com nome das ruas, 1 de iluminação, 1 de câmera de segurança, 1 para radares, 3 de semáforo, 5 de placas de sinalização para veículos motorizados e apenas 1 de sinalização para pedestres.

Image for post
Image for post
Sinalização de pedestres do poder público

A sinalização de pedestres, no entanto, tem diversos problemas. Tanto no seu modelo, porque a altura da placa não está na escala das pessoas, quanto de informação. De um lado, por exemplo, seu texto apenas mencionava o Cemitério da Consolação e mais nenhum equipamento. Além disso, a sinalização sequer informa as distâncias e tempo de caminhada para chegar aos locais.

No pedaço da Praça José Molina tivemos a surpresa de identificar que naquele pequeno espaço já havia 4 bancos para sentar — sem a hostilidade de dividir o espaço de sentar individualmente - além de canteiro de plantas com 9 árvores e o monumento com uma lâmpada em homenagem à Thomas Edson. Porém tanto o caráter de passagem, quanto o ruído presente, entre outras razões, dificultam com que a praça seja um local de permanência.

Image for post
Image for post
Bancos da praça José Molina

Por fim, diagnosticou-se, que ambos espaços careciam de informação para quem passa por ali, seja para se localizar como para saber a proximidade de alguns equipamentos de referência da cidade. Ainda, estes lugares induzem as pessoas a passar rápido e não olhar para o lado ou ter uma atitude mais leve e amigável, pois a falta de conforto, a velocidade e o ruído dos automóveis levam as pessoas a querer sair de lá o mais rápido possível.

Image for post
Image for post
Mensagem produzida pela ação, em frente ao prédio da WeWork

Olhar para além do prédio
A ação foi um pedido da WeWork para celebrar o Dia da Terra com seus voluntários olhando para além do espaço de um dos seus prédios. A vontade de promover conexões já está no DNA da organização, que queria expandir para a rua um pouco dessa missão que já promovem internamente. Essa é uma referência muito positiva para outras instituições privadas, que poderiam se ocupar em pensar como as pessoas chegam, saem ou simplesmente passam por seus estabelecimentos e, a partir disso, pensar em como podem melhorar esta experiência.

Image for post
Image for post
Placas instaladas na ação indicando equipamentos e tempo de caminhada

A transformação
Depois de aprender sobre o espaço, as pessoas que passam e alguns de seus anseios, foi o momento de planejar as ações e melhorias. Definiu-se que era urgente melhorar a informação para as pessoas que passam. Para isso, fizemos sinalizações de wayfinding, indicando locais de interesse no entorno em quatro categorias: estações de metrô, museus e instituições culturais, parques e praças, e ruas. Cada categoria tem uma cor correspondente e o tempo médio de caminhada é apresentado (considerando a velocidade de 4,5km/h).

Image for post
Image for post
Detalhes dos postes idealizados pelo Meiofio

Além disso, era preciso evidenciar o excesso de postes e fazer com que eles servissem para as pessoas. Então convidamos o Coletivo Meiofio a fazer instalações artísticas neles.

Também decidimos usar o piso como espaço para promover uma sensação melhor a quem caminha e auxiliar nos sentidos e direções. Decidimos fazê-lo através de pintura, que além de trazer cor, conecta-se com a linguagem da sinalização e auxilia na orientação dos caminhos.

Image for post
Image for post
Pintura no piso vista de cima — recebida por whatsapp
Image for post
Image for post
Bancos com encosto e arte

Já em relação aos bancos para sentar, construímos e instalamos os encostos para promover mais conforto. Para isso, contamos com a preciosa ajuda do Raimundo do Movimento Boa Praça, que já fez muitas melhorias em bancos na cidade. E além de encosto obviamente houve arte e cores.

Image for post
Image for post
Mensagens para interagir e desacelerar

E por fim, foram feitas sinalizações lúdicas para propor a desaceleração e promover a interação e a contemplação da cidade aproveitando-se de alguns números sobre o caminhar neste espaço, como tempo de espera para travessar e passos para chegar ao outro lado.

A ação contou com cerca de 20 voluntários da WeWork, que em 4 horas colocaram a mão na massa para fazer tudo isso acontecer, com muita diversão envolvida!

Image for post
Image for post
As muitas mãos que transformaram os lugares
Image for post
Image for post
Bordado nas grades "Vamos a Pé?" do Meiofio e apresentação musical do Théo com Sétima

A intervenção é efêmera, mas as mensagens que deixam e, principalmente, o processo de construção, são permanentes. Agora a intenção é dialogar com o poder público para que estas melhorias possam durar mais e inspirem-no a garantir que a construção da cidade seja sempre participativa. Vamos a pé?

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store