Curso online de Políticas Públicas de Abertura de Ruas durante a Pandemia da COVID-19

O curso “Políticas Públicas de Abertura de Ruas durante a Pandemia da COVID-19” aborda as políticas públicas realizadas em várias cidades do mundo de abertura de ruas ou de redistribuição viária de forma temporária — tática — como resposta para promover os deslocamentos necessários ou esportivos preservando o distanciamento e segurança durante a pandemia.

Image for post
Image for post

Confira a primeira aula — de três — do curso “Políticas Públicas de Abertura de Ruas durante a Pandemia do COVID-19” elaborado pelo SampaPé! — www.sampape.org. Nesta aula são abordados conceitos base de urbanismo para entender sobre as possibilidades de flexibilização de uso das ruas em situações emergenciais nas cidades.

No facebook: https://www.facebook.com/cpfsesc/videos/1779703885500799/

Ministrada pelas urbanistas Leticia Sabino e Louise Uchôa, a aula apresenta sete conceitos: resiliência urbana, espaços públicos, espaços híbridos, mobilidade urbana, caminhabilidade, ruas abertas e urbanismo tático.

Ministrantes: Leticia Sabino e Louise Uchôa

Gravação e edição: Leticia Sabino e Louise Uchôa

Imagens e vídeos sem fonte: arquivo pessoal Leticia Sabino

Sobre o curso

Apresentamos os tipos de soluções e políticas implementadas nas diferentes cidades em todos os continentes, abordando o caminho da implementação de tais ações e os seus objetivos. Considerando que cidades com características diferentes realizaram suas ações com condições e motivações diversas. Bogotá, por exemplo, implementou uma ampla rede de ciclovias temporárias focada nos deslocamentos necessários de agentes de saúde, enquanto Oakland abriu ruas em áreas residenciais para garantir espaço suficiente para práticas de atividade física, visando a saúde da população isolada. Desta forma, podemos entender alternativas de flexibilização do uso das ruas como um espaço híbrido que pode responder a emergências urbanas.

Além disso, colocamos em evidência algumas das cidades e iniciativas que indicaram a implementação de novas infraestruturas e de reequilíbrio das ruas com foco em estimular o transporte ativo, pós pandemia. Visando melhorias duradouras vinculadas a saúde e clima.

Sobre o SampaPé!

O SampaPé! é uma organização sem fins lucrativos (ONG) fundada em 2012 que tem como objetivo construir cidades mais caminháveis com as pessoas. Atua nas frentes de promoção da cultura do caminhar e humanização as cidades. Para isso, realiza projetos e metodologias para engajar e capacitar cidadãos e decisores da cidade. Também promove ações político-cidadãs, de comunicação, mapeamento, urbanismo tático, legibilidade, entre outras. Foram os idealizadores e mobilizadores da Paulista Aberta, promovem passeios a pé e processos participativos.

www.sampape.org | www.facebook.com/sampape.sp | www.instagram.com/sampapesp

Bibliografia:

AUGÉ, Marc. Não-Lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. São Paulo: Papirus, 1994.

BRADSHAW, Chris. Creating and using a rating system for neighborhood walkability towards an agenda for “Local Heroes”. Bolder, 1993. < https://www.cooperative-individualism.org/bradshaw-chris_creating-and-using-a-rating-system-for-neighborhood-walkability-1993.htm >

DE CERTEAU, Michel. The Practice of Everyday life. Berkeley, 1984.

GEHL, Jan. Life Between Buildings. Washington, 1987.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions Anthropos, 2000). Primeira versão : 2006. < https://gpect.files.wordpress.com/2014/06/henri_lefebvre-a-produc3a7c3a3o-do-espac3a7o.pdf >

LERNER, Jaime. Acupuntura Urbana. Rio de Janeiro: Editora Record, 2005.

MEEROW, Sarah; NEWALL, J. Defining urban resilience: a review, 2016.

<https://www.researchgate.net/publication/288932192_Defining_urban_resilience_A_review >

ONU Habitat. City Resilience Profiling tool, 2018. <http://urbanresiliencehub.org/wp-content/uploads/2018/02/CRPT-Guide.pdf>

Política Nacional de Mobilidade Urbana. Lei nº 12.587/2012. <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm >

RELPH, Edward. Place and Placelessness. 1976.

ROGERS, Richard. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2001.

WALZER, Michael apud. ROGERS, Richard. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2001.

SPECK, Jeff. Cidade caminhável. São Paulo: Perspectiva, 2016.

STREET PLANS. Tactical Urbanism: Short-term Action for Long-term Change. 2012 < https://issuu.com/streetplanscollaborative/docs/tactical_urbanism_vol_2_final >

TED X. Quatro formas de tornar uma cidade mais “caminhável”. Jeff Speck < https://www.ted.com/talks/jeff_speck_4_ways_to_make_a_city_more_walkable/transcript?awesm=on.ted.com_9IB1&language=pt-br >

TRANCIK, Roger. Finding Lost Space. New York: Van Nostrand, 1986.

HUB DE RESILIÊNCIA DA ONU. City resilience profiling tool.

<http://urbanresiliencehub.org/wp-content/uploads/2018/02/CRPT-Guide.pdf >

WALKER, Brian; SALT, Daniel. Resilience thinking. Washington, DC: Island Press, 2006.

Written by

ONG que tem como fim melhorar a experiência de caminhar nas cidades.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store